Cresce contratações do programa ABC

*Da Gazeta Digital

Muitos agricultores brasileiros estão aderindo às boas práticas no campo


Dados recentes divulgados pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) mostram que as contratações registradas por meio do programa de Agricultura de Baixo Carbono (ABC), que utiliza boas práticas agrícolas pelos agricultores brasileiros, foram destaque no período entre julho de 2011 e fevereiro de 2012. Os agricultores contrataram R$ 501,2 milhões no período, sendo o total financiado para custeio, investimento e comercialização no país de R$ 70,7 bilhões – a agricultura empresarial aplicou R$ 61,7 bi, no mesmo período.

O Programa Agricultura de Baixo Carbono foi criado em 2010 pelo Governo Federal e concede benefícios e créditos para os agricultores que querem adotar técnicas agrícolas sustentáveis. A taxa de juros do é a menor fixada para o crédito rural destinado à agricultura empresarial – 5,5% ao ano. O prazo de pagamento pode chegar a 15 anos. Além do sistema de iLPF, o Programa ABC também incentiva iniciativas relacionadas ao plantio direto na palha, fixação biológica de nitrogênio, recuperação de áreas degradadas, plantio de florestas e tratamento
de resíduos animais.

No período avaliado, também chamou atenção os financiamentos concedidos por meio do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) que totalizaram R$ 5,2 bilhões, distribuídos em R$ 3, 8 bilhões em operações de custeio e R$ 1,4 bilhão em investimento, entre julho/2011 e fevereiro/2012, ante os R$ 3,34 bilhões do mesmo período de 2010/2011, um incremento de 55,6% no volume contratado. Outros destaques entre os financiamentos de investimento foram as contratações registradas através do Moderagro (R$ 285,9 milhões) e do Moderinfra (R$ 155,8 milhões), ambos com juro de 6,75% ao ano.

Na semana passada, o Sindicato dos Produtores rurais de Juara em Parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil e Banco do Brasil, realizaram na sede do Sindicato no Parque de Exposição da Acrivale, no município de Juara, uma reunião com todos os produtores rurais da região para discutir e aprender sobre este novo método de plantio e rotatividade de cultivares. Na ocasião, Rui Prado, presidente da Famato, avaliou que se trata de uma proposta interessante, que tem que ser avaliada. Isso porque não existe hoje com exceção do Pronaf, recursos com juros tão baixos e prazos tão longos como esses.

O Programa de Sustentação do Investimento (PSIBK), que contabilizou R$ 4,2 bilhões para a aquisição de máquinas agrícolas e estruturas de armazenagem, a juros de 6,5% ao ano, também foi considerado expressivo. A avaliação das contratações do crédito agrícola, atualizada mensalmente, é realizada pelo Grupo de Acompanhamento do Crédito Rural, coordenado pela Secretaria de Política Agrícola do Mapa. De acordo com o secretário de Política Agrícola, Caio Rocha, o acesso ao crédito é mais um instrumento para qualificar a produção rural, aumentando a produtividade por meio dos investimentos em tecnologia.

Autor: Wisley Tomaz / Da Gazeta Digital

Deixe seu comentário sobre este assunto:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s