Uma história de amor pela terra – Parte 1

Quem percorre os 1.250 hectares (ha) da fazenda Boa Vista, no município de Baldim (MG), dificilmente consegue imaginar a transformação por que passou o solo e o subsolo da propriedade nos últimos anos. O que antes era um conjunto de terras inférteis se transformou numa espécie de oásis produtivo, em meio às áreas degradadas do cerrado próximas à Serra do Cipó, região central do Estado de Minas Gerais. A fazenda, que suportava, em 1992, um rebanho bovino de apenas 480 cabeças, aumentou sua capacidade produtiva em mais de três vezes, graças à implantação de técnicas de agricultura de baixo carbono. A propriedade suporta, atualmente, 1.800 cabeças de gado e teve o nível de água dos córregos elevado com a construção das “barraginhas”, que retêm a água das chuvas. “Sou um produtor de água também”, brinca o proprietário da Boa Vista, o engenheiro agrônomo Alysson Paolinelli.

Paolinelli, que foi ministro da agricultura em meados da década de 1970, é um entusiasta da agricultura de baixo carbono. Ele ouviu falar, pela primeira vez, do sistema Barreirão, no início dos anos 1990. Curioso, decidiu conhecer de perto a técnica que estava sendo desenvolvida pelos pesquisadores da Embrapa João Kluthcouski e Homero Aidar, em uma fazenda do Estado do Tocantins. O Barreirão consiste em utilizar um arado aiveca para tombar a terra e matar as ervas daninhas e outras pragas que infestam o terreno. Depois, corrigi-se o solo, aduba-se e planta-se o arroz junto com uma forrageira. No caso da fazenda Boa Vista, Paolinelli utilizou milho e braquiária, vulgarmente conhecida como capim. As duas plantas crescem juntas. A vantagem econômica desse sistema é que a receita obtida com a venda do milho geralmente cobre os custos do plantio e ainda deixa o pasto pronto para o gado engordar. Por outro lado, a terra descompactada pelo arado acumula e retém matéria orgânica no solo, o que o mantém mais fértil.

Animado com os resultados, Paolinelli fez um empréstimo junto ao Banco do Brasil para implantar a técnica em 600 hectares da fazenda.

Como Paolinelli conseguiu o financiamento do Banco do Brasil? O passo-a-passo está descrito no Guia de Financiamento de Agricultura de Baixo Carbono. Qualquer produtor rural interessado em obter o crédito para implantar o Sistema Lavoura-Pecuária-Floresta pode acessá-lo.

Deixe seu comentário sobre este assunto:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s