Ministro da Agricultura participa de Fórum sobre agricultura de baixo carbono


O ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, participou da abertura da 37ª Etapa do Fórum Permanente do Agronegócio – Fórum técnico sobre agricultura de baixo carbono – ABC, promovido pelo Sistema Farsul – FARSUL, SENAR e Casa Rural – na tarde de hoje.

Mendes Ribeiro, destacou a importância do Programa ABC e da participação do Banco do Brasil como agente financiador. Outro ponto destacado pelo ministro foram os vetos da presidenta, Dilma Rousseff, ao projeto do novo Código Florestal. “Percorri o Rio Grande com uma legislação extremamente injusta, que criminaliza o produtor. Hoje podemos não ter a legislação que queríamos, mas temos segurança jurídica”, afirmou, destacando que o Congresso Nacional terá agora 90 dias para discutir as mudanças do projeto. “Vai permitir corrigir aquilo que por ventura ainda tenha que ser corrigido com uma clareza: nós brasileiros não vamos nos omitir para continuar sendo o segundo maior produtor e exportador de alimentos no mundo”, complementou.

Ele também antecipou que o Plano Agrícola e Pecuário 2012/ 2013, que será anunciado no final de junho, terá mais recursos do que o PAP 2011/2012. “Tenho buscado de todas as formas, com o Banco do Brasil, o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), o Banco do Nordeste e a Caixa Econômica Federal, ações que possam complementar o trabalho do Executivo no apoio à produção”, relatou. “Vamos continuar trabalhando para que possamos, cada vez mais, dizer que estamos fazendo a nossa parte. Continuaremos agindo e fazendo o possível para estar ao lado daquele que produz”, destacou. O ministro cumprimentou a Farsul pelos 85 anos, completados dia 24.05, e reforçou que por motivo de agenda não pode comparecer à solenidade.

O presidente do Sistema Farsul , Carlos Sperotto, falou que este fórum, que também foi realizado em outros locais do estado, tem objetivo de esclarecer técnicos, agrônomos e veterinários, sobre as formas de aplicação dos conceitos da ABC na propriedade rural e sobre como utilizar as linha de crédito federal e particulares, para recuperar áreas, produzir sistemas integrados de lavoura-floresta e pecuária e adotar tecnologias capazes de promover a redução de emissão de gases de efeito estufa. Sperotto disse que “a federação atendeu de imediato o chamamento para aderir o programa ABC e que através de fóruns procura cumprir tecnicamente todas as etapas do programa”.

Foram realizadas palestras sobre a pesquisa científica em agricultura de baixo carbono, por Paulo Carvalho, da UFRGS; aplicação dos conceitos de ABC em sistemas de produção no RS, por Davi Teixeira e projetos técnicos para financiamento no programa ABC, por Igor Carassai, ambos do Seviço de Inteligência em Agronegócios.

Deixe seu comentário sobre este assunto:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s