Sucessão e rotação de culturas: superação de desafios e aperfeiçoamento do processo produtivo do algodoeiro no sistema plantio direto

* Da Embrapa

Cotton boll stem (Gossypium) close-up

O sistema plantio direto (SPD) trouxe grandes benefícios ao Brasil, e é responsável por várias alterações de ordem física, química e biológica, que culminam na proteção do solo, no sequestro do carbono e na redução dos gases de efeito estufa. No entanto, alguns fatores limitantes surgiram com a evolução do SPD, principalmente quando o algodoeiro foi inserido no esquema de rotação de culturas.

Na cotonicultura brasileira ainda prevalece o sistema convencional de preparo e manejo do solo, por meio de aração e gradagem. A pequena participação do cultivo do algodoeiro em SPD está relacionada a problemas como a falta de interesse dos agricultores em utilizar espécies de cobertura em safrinha, por julgarem econômica e tecnicamente inviáveis; uso intensivo das áreas, que predispõe a ocorrência contínua de algumas pragas, doenças e fitonematoides comuns às culturas do sistema de produção; baixa eficiência dos processos de destruição dos restos culturais do algodoeiro sem o revolvimento do solo; falta de definição dos parâmetros de correção do perfil do solo em diferentes profundidades, quando culturas com características diferentes estão presentes e queda de produtividade após cinco anos do SPD, com o algodoeiro em sucessão ao milho cultivado de forma consorciada com Brachiaria ruziziensis.

O projeto objetiva aprimorar o SPD com o algodoeiro integrando esquemas de rotação com soja, milho, arroz, feijão, sorgo, entre outras culturas, com ações nas áreas de manejo e fertilidade do solo, nutrição das plantas, destruição dos restos culturais do algodoeiro, manejo de pragas, doenças e nematóides comuns às culturas ou ao sistema produtivo.

Os trabalhos serão desenvolvidos no Cerrado dos estados de Goiás, Mato Grosso, Bahia e Mato Grosso do Sul.

Entre os resultados, espera-se definir opções de rotação de culturas para viabilizar o cultivo do algodoeiro em sistemas de produção em safra e safrinha no Cerrado; selecionar espécies vegetais cultivadas em safrinha, de forma solteira ou consorciada, com fins de colheita e cobertura do solo para posterior semeadura direta; selecionar espécie de cobertura como estratégia de controle cultural do percevejo castanho e de nematóides no sistema de produção soja-algodão ou soja-milho-algodão; selecionar herbicidas e doses para o controle de plantas daninhas nas espécies de cobertura, e para o manejo de dessecação das espécies de cobertura e posterior semeadura direta; determinar a profundidade do solo para correção física e química, visando o cultivo do algodoeiro, soja e milho no SPD; estabelecer adubação em função do esquema de rotação de culturas; avaliar a eficiência de inoculantes para fixação biológica de nitrogênio no algodoeiro e espécies de cobertura; verificar a incidência do percevejo castanho, de coró, de nematoides e de mofo-branco em sistemas de produção com soja, milho e algodão, envolvendo esquemas de rotação de culturas e manejo do solo; avaliar o efeito de cobertura vegetal do solo em SPD e de cultivares de algodoeiro com diferentes tipos de folha na sobrevivência do mofo-branco e melhorar os processos de destruição mecânica dos restos culturais do algodoeiro para viabilização do SPD.
*Fonte: Embrapa
Unidade Lider: Embrapa Algodão
Lider do Projeto: ALEXANDRE CUNHA DE B FERREIRA
Contato: alexandre-cunha.ferreira@embrapa.br

Anúncios

Deixe seu comentário sobre este assunto:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s