FAEMA divulga técnicas de Agricultura de Baixo Carbono

As estratégias para a redução da emissão de gás carbônico na agricultura maranhense foram discutidas ontem, 16 de outubro, no Seminário Agricultura de Emissão de Baixo Carbono no Maranhão, realizado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), com o apoio da Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão – FAEMA, no auditório da Assembléia  Legislativa, em São Luís.

A abertura do evento foi feita pelo secretário da Sagrima, Claudio Azevedo e pelos presidentes da FAEMA, José Hilton de Sousa e da Agência de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Jorge Fortes.

O seminário reuniu produtores rurais, agentes financeiros, estudantes e professores, pesquisadores, profissionais e os atores envolvidos no setor produtivo. O objetivo foi sensibilizar quanto à importância de utilizar alternativas em busca de uma agricultura sustentável com o uso de processos tecnológicos que neutralizam ou minimizam os gases de efeito estufa no campo.

A redução da emissão de gases de efeito estufa foi um compromisso voluntário do governo brasileiro. O acordo foi firmado durante a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP-15), que aconteceu em 2009, em Copenhagen, na Dinamarca.

O secretário de Estado da Agricultura, Cláudio Azevedo explicou que o governo estadual está se aliando ao Mapa, que tem como meta reduzir, até 2020, 17% do total de um bilhão de toneladas de gás carbônico produzidos no Brasil. “Precisamos cada vez mais divulgar o Programa ABC. A Sagrima já criou o Comitê Gestor Estadual, irá capacitar cerca de 90 profissionais para aumentar a quantidade de financiamentos agrícolas voltados para esses sistemas e, em dezembro deste ano, iremos realizar uma oficina para a elaboração do nosso plano estadual”, informou o secretário.

De acordo com o presidente José Hilton de Sousa, a FAEMA e a CNA estão engajadas na questão da sustentabilidade, orientando o produtor rural sobre a meta de reduzir em 80% as emissões de gases, desafio proposto até 2020. “Estamos também distribuindo o Guia de Financiamento da Agricultura de Baixo Carbono lançado pela Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), com  informações sobre as práticas agrícolas sustentáveis e as regras de financiamento do Programa”, disse.

A palestrante do Mapa, Kátia Marzall, informou que 18 estados do Brasil já criaram seu grupo gestor e que até o momento, três estados já elaboraram o plano estadual e outros sete estão finalizando a elaboração dos seus planos.

De acordo com o representante do Banco do Brasil, Tarcísio Gerroto, que apresentou a palestra “Os mecanismos de Financiamento para o ABC”, até agora o banco financiou R$ 15,5 milhões, sendo 74% para a pecuária e 24% para a agricultura. Os empréstimos foram feitos nos municípios maranhenses  de Imperatriz, Açailândia, Balsas, Chapadinha, Lago da Pedra e São Raimundo das Mangabeiras. “Esperamos que até o final do ano esse valor alcance os R$ 20 milhões”, informou.

Grupo Gestor – O Grupo Gestor Estadual do Programa ABC no Maranhão é composto por representantes da Sagrima, Federação dos Trabalhadores do Estado do Maranhão (Fetaema), Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão e Sistema Nacional de Aprendizagem Rural (Faema/Senar), Embrapa Cocais, Agência de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp), Agência de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), Bancos da Amazônia, do Nordeste e do Brasil e das secretarias de Desenvolvimento Social e de Meio Ambiente e da Superintendência Federal da Agricultura.

Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão – FAEMA
Tel.: (98) 3231.2919 – Fax.: 3231.2537

Projeto ABC é apresentado pelo Comitê Gestor no interior do Tocantins

* Do Seagro/TO

Para desenvolver a agricultura com baixa emissão de carbono no Tocantins, o Comitê Estadual, formado por instituições federal e estadual e coordenado pela Seagro – Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário – está realizando reuniões para apresentação do Projeto ABC – Agricultura de Baixo Carbono – no Tocantins.

Os encontros serão realizados em sete regiões polos do Estado. Hoje, a reunião será em Miracema do Tocantins, e acontecerá no auditório da Diretoria Regional de Ensino. Na próxima semana, mais precisamente na quinta (23), será a vez de Taguatinga, e na sexta-feira (24), em Gurupi.

De acordo com o coordenador de Desenvolvimento Tecnológico da Seagro, Fernando Garcia, trata-se de uma proposta de capacitação continuada para técnicos de nível médio e superior nas linhas temáticas do Plano ABC. “O Plano possui seis linhas, mas a princípio serão apresentadas apenas três, que são: sistema de plantio direto, integração lavoura-pecuária-floresta e recuperação de pastagens degradadas”, explica.

As reuniões já foram realizadas nas cidades de Porto Nacional, Paraíso do Tocantins, Araguatins e Araguaína. “As capacitações serão promovidas e coordenadas pela Embrapa/Pesca e Aquicultura e contam com o apoio logístico e de mobilização com os técnicos que participam das reuniões”, completou, acrescentando que o grupo também já realizou seminários de sensibilização e oficinas de capacitação para os técnicos envolvidos na implantação do Plano.

Programa

O Programa ABC – Agricultura de Baixo Carbono – promoverá a redução das emissões de carbono através do incentivo a processos tecnológicos que neutralizam ou minimizam o impacto dos gases de efeito estufa no campo, com metas e resultados previstos até 2020.

Além de estimular os investimentos necessários para a incorporação de tecnologias de baixa emissão de carbono no processo produtivo, o Plano também promove ações que permitam ao produtor realizar a regularização ambiental de sua propriedade. Outras metas do programa são estimular a redução do desmatamento de florestas e incentivar a implantação e sistemas produtivos ambientalmente sustentáveis.

*Seagro/TO – Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário de Tocantins